O soldado da Brigada Militar que evitou um assalto ao matar o criminoso na terça-feira (24) vai ser homenageado pelo Instituto Cultural Floresta (ICF). A cerimônia ocorre na próxima terça-feira (31), na Praça da Encol, no bairro Mont’Serrat, zona norte de Porto Alegre.

O nome do PM não foi informado pelo instituto nem pelo 11º Batalhão de Polícia Militar, onde é lotado.

Conforme o presidente do conselho do instituto, Claudio Goldsztein, a homenagem pretende reconhecer o trabalho do policial que, além de dar a ordem de parar ao criminoso, orientou as vítimas a sair da linha de tiro.

— Ele cumpriu o dever de forma brava, teve presença de espírito para garantir a segurança para as pessoas de bem. Foi uma abordagem bem feita que teve resultado positivo, da mesma forma que um bombeiro que escala uma calha para tirar uma criança — observa Goldsztein.

Essa não é a primeira vez que o instituto homenageia um policial. Em 23 de abril, em meio ao Seminário Cidades contra a Violência, placa de agradecimento foi dada a um policial que frustrou o ataque de três criminosos a um ônibus que seguia de Santana do Livramento a Porto Alegre. Um deles foi morto dentro do coletivo.

Em nota, o instituto reforçou que um dos objetivos da organização é a “valorização dos policiais que exercem com dedicação e perícia o seu trabalho”. O ICF é formado por empresários de Porto Alegre que buscam soluções contra a violência.

PM já prestou depoimento à polícia

Na tarde de quarta-feira (25), o policial militar prestou depoimento na 8ª Delegacia de Polícia, onde a tentativa de assalto ao casal é investigada. Conforme a delegada Vandi Lemos, a declaração do soldado é “coerente” com o relato das vítimas e conforme o que gravaram as câmeras de segurança.

— A ação policial foi rápida, mas me parece que agiu certo.

Além do revólver calibre 38, encontrado com o criminoso, a arma do policial também foi levada para perícia. O procedimento, considerado de praxe, deve servir para analisar as munições encontradas no corpo do assaltante.

No depoimento, o policial afirmou que não conseguiu avistar os comparsas do homem, que permaneceram no Celta vermelho durante a abordagem ao casal. Agora, as investigações seguem para tentar identificar esses criminosos.